Por que desenvolver um novo produto e como fazer

Por que desenvolver um novo produto e como fazer

Por que desenvolver um novo produto? Como fazer?

Produtos, considerando os diversos significados os quais pode ter, existem na sociedade como um resultado da ciência e da tecnologia da humanidade, especialmente das suas engenharias – no nosso caso, a mecânica. Porém como surgem as ideias para desenvolver um novo produto?

Na maioria das vezes, as ideias aparecem a partir da junção de dois fatores: primeiro, uma dificuldade ou sentimento de aprimoramento pessoal ou social; segundo, a criatividade unida com a inspiração de uma pessoa ou um grupo. Portanto, a engenharia busca o aperfeiçoamento e criação de produtos com a ciência da atualidade, sendo capaz de buscar descobertas e unir conhecimentos diversos.

Para que um produto exista, normalmente precisa-se de um projeto para a execução de sua ideia principal. Dividido em etapas organizadas e pré-planejadas, uma ideia pode ser posta em prática, solucionando o seu problema e, quem sabe, um problema também da sociedade.

Por quê?

O cliente de um projeto

Um projeto costuma ser pensado por um cliente para cumprir com as suas próprias demandas ou são provindas do seu local de trabalho, por exemplo, uma empresa de médio porte. E isso não é satisfatório? Um grupo de pessoas com conhecimento em engenharia mecânica são contratadas para propor soluções a um cliente, pessoa física ou empresa. Sendo assim, esse é o motivo da existência dos serviços de desenvolvimento de produtos, contribuindo com a sociedade. 

 Produtos como criação de um novo mercado

Não é só por isso que se limita o poder de um projeto mecânico, porque alguns podem alcançar um grande sucesso na sociedade. Quando isso acontece, uma ideia inovadora é posta em prática. Aqui está um exemplo de como invenções ou projetos podem ser importantes:

O empresário alemão Artur Fischer (1919 – 2016) foi o inventor de mais de 1.100 patentes. É muita criatividade e muito conhecimento juntos, não é? 

Sua primeira patente foi um flash para câmeras fotográficas com disparador sincronizado (registrada em 1949). Hoje, isso está presente em câmeras amadoras e profissionais, além dos telefones celulares.

A sua invenção mais famosa é uma das mais simples: a bucha de plástico para parafusos, criada pela primeira vez em 1958, a qual está presente em quase todo trabalho manual no qual se usa um parafuso. Um suporte de cortina na parede, por exemplo, é fixado por esses utensílios no cotidiano das pessoas, embora nem sempre a maioria das pessoas se importem com isso. Atualmente, é o fixador mais copiado do mundo, nomeado “bucha S cinza”, a qual é principalmente indicada para concreto, tijolo maciço e alvenaria maciça. Claro que várias variações e aprimoramentos surgiram para outros tipos de paredes, com o passar dos anos.

Imagem ilustrativa. Essas são buchas UX.

Enfim, esse foi um exemplo de uma invenção pequena com um grande sucesso, pois é capaz de aprimorar uma prática presente em todos os lugares. Nem precisa dizer que o fundador da Fábrica Fischer ganhou muito dinheiro por causa disso, além disso, sua empresa se mantém até hoje com seus sucessores após sua morte.

Como? Etapas básicas do desenvolvimento de produtos

Um problema a ser resolvido

Como dito nesse texto, o projeto é para criar uma inovação ou é para satisfazer uma necessidade própria? Não importa qual dessas seja a opção mais importante, o necessário é solucionar um problema através da ação de desenvolver um novo produto.

Aliás, não é só por interesse financeiro que se deve desenvolver um novo produto. Algumas ocasiões envolvem um trabalho de convencimento dos consumidores no início, mas uma dica seria pensar em quem você quer ajudar e descobrir as suas dores. Sendo assim, imagine um perfil que possa ser uma mistura dessas pessoas (persona) ou selecione um grupo com a maioria das características em comum (público-alvo). Talvez não seja algo simples a se fazer, afinal requer dedicação e estudo, mas o resultado pode te ajudar, contribuindo, de certa forma, com a sociedade. Vale ressaltar que você pode se inspirar no que já existe, pois nenhuma ideia é realmente 100% original.

Todo projeto precisa de uma razão para existir, afinal, uma função é pensada para sua finalidade. Porém, as etapas precisam estar claras, conectadas e planejadas para que a execução tenha êxito e o mínimo de conflito.

Análise de viabilidade

Diversas possibilidades do projeto devem ser exploradas e pensadas para o problema ou proposta de melhoria apresentadas. Ou seja, um brainstorm (basicamente juntar a equipe do projeto para soltar as melhores ideias do projeto) enquadra-se como uma das melhores ações a serem feitas no grupo. Desse modo, os primeiros esboços são planejados, mas ainda sem aprofundamento.

Existem algumas ferramentas para organizar o futuro de um projeto. A estrutura analítica do projeto, por exemplo, é um tipo de organograma bem visual, a fim de organizar “pedaço” por “pedaço” da atividade completa. A matriz MoSCoW é outra maneira, pois dá prioridade a cada uma de suas ações de acordo com o esforço e o tempo exigidos.

Desenvolvimento do projeto

Entre os esboços planejados, chega-se ao momento de escolher qual é a melhor opção. Dessa vez, existe o aprofundamento do projeto cujos dados serão mais elaborados:

– Dimensionamento de medidas do projeto e do espaço;

– Escolha dos materiais: propriedades mecânicas e precificação;

– Viabilidade econômica;

– Determinação das cargas e temperaturas previstas;

– Carga máxima a ser suportada e fator de segurança.

É uma etapa muito importante, pois não adianta fazer um projeto o qual seja impossível ou financeiramente inviável de ser usinável. O tempo de vida útil do produto é algo a ser também previsto.

Desenho técnico e CAD

Enfim, o detalhamento das peças é especificado com suas tolerâncias dimensionais. Desse modo, todas as normas de padronização de desenho técnico são seguidas (no caso brasileiro, a Associação Brasileira de Normas Técnicas); logo, as peças poderão ser usinadas futuramente. Além disso, é um registro que torna a manutenção mais prática.

A modelagem 3D é uma realidade a qual proveio do desenho assistido por computador (CAD), empregado em softwares como os da Dassault Systèmes (SolidWorks e CATIA), diversos da Autodesk (AutoCAD, Inventor, Fusion 360° e Revit), Onshape e Epic Engine. A partir deles também é possível passar a modelagem para um desenho 2D padronizado. Aliás, antes era papel milimetrado, compasso, régua, borracha, mãos e tudo mais que fazia isso, imagina só o tempo e o esforço demandados.

Além disso, a engenharia assistida por computador (CAE) e a manufatura assistida por computador (CAM) servem de comprovação do funcionamento da máquina e também de sua usinabilidade. Fiéis à realidade, graças ao avanço tecnológico computacional. Com isso, a fabricação e a escolha das características da máquina é agilizada.

Dessa forma, uma parte da Indústria 4.0, a impressão 3D, realidade aumentada (demonstrar um projeto em escala real através de uma câmera), criação de uma imagem renderizada (mais realística) do projeto existem. Tudo isso é capaz de dar proximidade e facilidade em um projeto ainda no papel.

Exemplo de um desenho 3D assistido por computador.

Por fim, todo esse trabalho tem uma parte escrita também, a fim de contextualizá-lo e justificar cada uma das escolhas feitas.

Prototipagem

Nessa etapa, é o que chamam de tirar o projeto do papel. Contudo, ainda é uma versão de testes, pois se verifica na prática a capacidade de realizar uma função almejada para ser colocado à venda e alguns ajustes. Chama-se isso de mínimo produto viável (MVP ou Minimum Viable Product). 

Talvez até seja desnecessário devido à confiabilidade dos softwares de simulação, mas, se quiser algo para diversas pessoas, isso é recomendado para demonstrar aos seus futuros consumidores um exemplo físico. Por isso, faz-se necessário um fabricante responsável por usinagem e montagem de seu equipamento na prática, quem te fornecerá o orçamento de cada componente.

Venha desenvolver seu produto conosco!

Deseja criar algo de novo para a sociedade? Apesar de já ter uma ideia, tem dificuldade de pôr em prática? Necessita de pessoas com conhecimento técnico e conceitual? Fale com a TM Jr., pois trabalhamos com desenvolvimento de produtos, almejando satisfazer nossos clientes e fazer algo inovador para a nossa sociedade.

– LinkedIn do autor:

 

Deixe uma resposta