Manutenção prescritiva – O futuro do setor industrial

Manutenção prescritiva – O futuro do setor industrial

Antes de explicar a manutenção prescritiva, será contado o desenvolvimento da indústria e uma comparação entre as diferentes espécies de manutenção.

Histórico

A indústria está em constante inovação com o passar das décadas em busca de competitividade, aprimoramento e inovação. No começo do desenvolvimento das indústrias na 1ª Revolução Industrial, alguns exemplos como o tear e a máquina a vapor foram os meios de produção mais importantes. Ficou conhecida hoje como Indústria 1.0, mas a indústria conhecida atualmente estava longe de se tornar a sua versão mais recente.

Já na 2ª Revolução Industrial, o marco foi a descoberta da eletricidade como aplicação tecnológica. Além disso, também os processos de produção em massa, o Fordismo por exemplo. Então, essa foi a marca da Indústria 2.0.

A Indústria 3.0 começou nos anos 1970 com o surgimento de computadores e automatização dos processos de produção. Essa etapa está vinculada com a tecnologia de informação. Nos dias de hoje, a maior parte do mundo prepara-se para entrar na Indústria 4.0, com as aplicações de novidades tecnológicas e previsões surgidas na última década. Isso nada mais é que o aprofundamento tecnológico das novidades surgidas no decorrer da geração anterior. 

Na Indústria 4.0, são previstas, por exemplo: 

  • A Internet das coisas;
  • Fibra óptica;
  • Big data;
  • Robôs autônomos;
  • Simulações a fim de realizar previsões de resultados;
  • Tecnologia de nuvem; 
  • Impressão 3D;
  • Segurança cibernética; 
  • Manufatura aditiva;
  • Sistemas integrados; 
  • Realidade aumentada, entre outros exemplos.

O processo da manutenção

A manutenção é inevitável para a continuidade do processo, pois sempre haverá surgimento de defeitos em um sistema tecnológico. Dessa forma, a Indústria 4.0 ainda possui outra necessária característica: a manutenção prescritiva. 

A fim de compreender detalhes dessa outra novidade da década, é preciso fazer uma breve comparação com outras manutenções pré-existentes.

Manutenção corretiva

É realizada após quebras, falhas ou defeitos de um equipamento, os quais muitas vezes são imprevistos. Portanto, é inevitável, pois quase todo processo atual há quebras por diversos motivos.

Manutenção preventiva

Como está no próprio nome, busca prever a ocorrência de uma falha. Portanto, de acordo com um cronograma, uma manutenção corretiva planejada acontece periodicamente no equipamento ou em parte dele. 

Há uma preparação, programação e organização antes de cada operação, seja de lubrificação de peças, revisão de equipamentos, inspeção e calibração de instrumentos.

Na construção de um plano de manutenção preventiva, o equipamento e sua disponibilidade são estudadas a fim de se prever em um calendário o evento de uma falha no decorrer do funcionamento (a partir de horas médias diárias de uso, quilometragem percorrida, número de vezes de uma atividade, …)

Manutenção preditiva

Definida com a atuação da máquina. Graças a tecnologia da Indústria 3.0, um acompanhamento é feito sem a interferência de equipamentos na continuidade do processo. Alguns exemplos:

  • Análise de vibrações (em rolamentos, superfícies, eixos, …), 
  • Ferrografia, 
  • Análise de óleo, 
  • Termografia, 
  • Medição de corrente, 
  • Espectrometria, 
  • Entre outros

Qualquer ação corretiva será realizada no momento correto do equipamento ou da peça. Ou seja, quando estiver no momento próximo de a falha ocorrer.

Enfim, a manutenção prescritiva

Com o surgimento das tecnologias da Indústria 4.0, essas poderão ser aplicadas ao acompanhamento das falhas no processo. Logo, algumas vantagens e otimizações são conquistadas.

Um operador de manutenção terá a capacidade de verificar uma falha sem a sua presença física, ou seja, acompanhar remotamente e sem a presença de algum técnico para avaliação.

A inteligência artificial que estará presente no equipamento, será capaz de acompanhar resultados e construir um histórico de falhas. Além disso, haverá tomadas de decisões sobre o que se fazer em cada caso de defeitos, com prevista agilidade e exatidão. 

O contexto e o ambiente do componente do processo em estudo são levadas em conta além de tudo. Condições ambientais (umidade, temperatura, …) também são consideradas antes de determinar a continuidade.

A implementação em geral, está associada à ISO 55000: norma internacional com o objetivo de fornecer uma visão ampla sobre a gestão de ativos e os seus sistemas, mas também subsidia o conteúdo da ISO 55001 e 55002, pois o intuito é compilar uma série de boas práticas comuns aplicadas aos mais variados ramos de negócios, organizações e culturas.

O objetivo continua ser a diminuição do número de falhas ocorridas, isto é, também a busca por contínua melhoria. Consequentemente, também é reduzir a manutenção corretiva não planejada uma vez que é capaz de trazer atrasos, erros acidentais na manutenção e gastos maiores. 

Porém, ainda cabe aos técnicos da manutenção o reparo e substituição de componentes quando ocorrer. Aliás, antes de tudo, é de suma importância a existência dos outros três tipos de manutenção, pois a prescritiva se baseia nesses para continuar existindo.

Enquanto a tecnologia da Indústria 4.0 não chega para todos, podemos ainda te oferecer o gerenciamento da manutenção. Perceba a importância de um plano de manutenção preventiva para qualquer equipamento seu, industrial ou comercial. Fale com a TM Jr. para solicitar um orçamento de um projeto de qualidade.

 

Deixe uma resposta